terça-feira, 3 de março de 2009

Hora de reflexão pessoal / silêncio

Enquanto não encontro o cabo para passar as fotografias para o computador, deixo um texto para que não haja certos e determinados indivíduos (certo, Padeiro?) tristes porque não há novidades por estes lados. As minhas sentidas e sinceras desculpas!

Reflexão pessoal

Taizé
26-02-2009
15:50

"Já que tenho de estar aqui um tempão em silêncio, escrevo. Pergunto-me como seria se fugisse agora com a mala que tenho às costas. Tenho a guitarra, dois livros de acordes, duas palhetas partidas e uma encontrada por aí. Um caderno de inglês, trabalhos de casa por fazer, uma garrafa de água vazia, um par de luvas, máquina-fotográfica, carteira de documentos, uns euros em moedas e uma nota de cinco. Amendoins, toalhetes, a boina da Tatiana, uns quantos postais, pastilhas e bolachas de maçã e canela.
Talvez não fosse longe, ou talvez até conseguisse alguma coisa. Nunca saberei se não sair. Faz frio aqui em França e não tenho casaco comigo. Mas não estou preocupada.
Tocou o sino. Demorei 10 minutos a chegar aqui.

A paisagem é linda. Vejo verde baixinho, montes pequenos, árvores sem folha e uma, duas, ... seis, seis casas. Um celeiro e umas quantas barracas. Eu, sentada no musgo e na terra que me suja as calças e as sapatilhas faço para que o tempo passe e eu não dê por ele. Já me doem as pernas de aqui estar nesta posição manhosa. Felizmente a árvore atrás de mim ampara-me as costas e torna isto numa espécie de divã natural.


O cavalo lá em baixo deu uns passos para voltar a parar e dedicar-se à erva. Apetece-me pular a cerca de estacas e raízes velhas de plantas e ir ter com ele. É bonito, visto daqui.
Este cenário é lindo. Parece um filme. Tirando que, no cinema, as personagens escrevem sempre poemas lindíssimos, cartas dramáticas ou então estão acompanhadas. Um parzinho romântico, daqueles de babar, magníficos como o horizonte, de mãos entrelaçadas e cara estupidamente maquilhada. O sol está realmente bom aqui. Escondido atrás de um céu que nem cinzento é, não aquece nem arrefece.
Apareceu agora a Taths. Já acabou a "hora" de reflexão e diz que vai ao chá. Pois que vá, eu ainda não acabei. A paisagem não me deixa sair daqui, portanto fico. Vou só enrolar melhor o cachecol do meu primo à volta do pescoço. Embora ele tenha dito que não, cheira um bocadinho a perfume. O que era bom.. era o sol finalmente aquecer um pouco.


Afinal vou-me embora. Não está assim tanto frio e o cavalo virou costas. O musgo saiu das calças e sabe-me bem ter o cachecol no pescolo. A guitarra ainda não disse nada esta tarde. Ao menos ela não tem dúvidas. Não chora. Mentira. Chora comigo, às vezes."

[ E pronto... cá fica. Fotografias, talvez amanhã. Quero provar que a paisagem era mesmo bonita e que o cavalo não era inventado!]

P.s. Obviamente, já é "amanhã"! Fotografias, cá estão! :)

Piquena e Média nota: O cavalo não se vê assim tão bem, mas juro que me fez companhia.

4 comentários:

Padeiro aka valentino rossi das rotundas disse...

Epá! Não sabia que perto do centro de reabilitação havia uma paisagem tão bonita. Vendo bem, não vou para lá. Mesmo que me quisesse livrar-me do cavalo, haveria sempre mais...não vale a pena!

vice' disse...

Só te desculpo o triste comentário porque entendo que 2 acidentes na mesma rotunda transtornam uma pessoa! x)

;) Não vais, mas devias ir!

Padeiro aka valentino rossi das rotundas disse...

Não vale a pena.
Cavalo+rs+rotundas=acidentesª

Pc disse...

REHAB AHAHAHAH :D

Eu e o Padeiro não necessitamos de ir para o centro de reabilitação porque somos mais fortes que o cavalo xD
Segundo o que ouvi, lá até comeste ervilhas!! ;)

ha ha ha

já tinha saudades :)